Índice de Postagens

Eucaristia na história

Justino Martim

"(Reunimo-nos todos no dia do Sol), não só porque foi o primeiro dia em que Deus, transformando as trevas e a matéria, criou o mundo, mas também porque neste mesmo dia Jesus Cristo, nosso salvador, ressuscitou dos mortos", ensinava o santo mártir, exaltando ainda a importância da participação (dominical no sacrifício do Senhor)" São Justino Mártir, Primeira Apologia dos Cristãos, 66-67 (PG 6, 427-431).
E este alimento é chamado entre nós Eucaristia, e ninguém tem direito a participar dele, mas a quem acredita que as coisas que ensinamos são verdadeiras, foram lavadas com o batismo e disseram, para o perdão dos pecados e regeneração , e viva o caminho que Cristo ordenou.
(Porque não tomamos essas coisas como pão comum ou como vinho comum, mas assim como Jesus Cristo), nosso Salvador, feito carne pela Palavra de Deus, teve carne e sangue para nos salvar, então nós tradicionalmente recebemos esse alimento sobre o qual (A ação de graças foi feita para a oração que contém as palavras do mesmo, e com a qual nosso sangue e nossa carne são alimentados pela conversão, é a carne e o sangue do Jesus encarnado).
"Apologia Primeiro" St. Justin - ano 160
"A delicadeza transformada na Eucaristia pelas palavras de uma oração da parte de Jesus (Jesus), de onde a carne e o sangue são alimentados quando a transformamos - é a carne e o sangue de Jesus que se encarnou por nós". (I Apol., 66, 2).

São Justino Mártir (Pai da Igreja, cerca de 165 DC)

“Deus tem portanto anunciado que todos os sacrifícios oferecidos em Seu Nome, (por Jesus Cristo, que está, na Eucaristia do Pão e do Cálice), que são oferecidos por nós cristãos em toda parte do mundo, são agradáveis a Ele.” – (Diálogo com Trifão, Cap. 117, cerca de 130-160 d.C.)
“Outrossim, como eu disse antes, concernente os sacrifícios que vocês, naquele tempo, ofereciam, Deus fala através de Malaquias, um dos doze, como segue: ‘Eu não tenho nenhum prazer em você, diz o Senhor; e Eu não aceitarei os sacrifícios de suas mãos; do nascer do sol até seu ocaso, meu Nome tem sido glorificado dentre os gentios; e em todo o lugar incenso é oferecido em meu Nome, e uma oferta pura: Grande tem sido meu nome dentre os gentios, diz o Senhor; mas você O profana.’ Assim são os sacrifícios oferecidos a Ele, em todo lugar, por nós os gentios, que são o Pão da Eucaristia e igualmente a taça da Eucaristia, que Ele falou naquele tempo; e Ele diz que nós glorificamos Seu nome, enquanto vocês O profanam.” (Diálogo com Trifão, [41, 8-10])

"Terminadas as orações, damos mutuamente o ósculo da paz. Apresenta-se, então, a quem preside aos irmãos, pão e um vaso de água e vinho, e ele tomando-os dá louvores e glória ao Pai do universo pelo nome de seu Filho e pelo Espírito Santo, e pronuncia uma longa ação de graças em razão dos dons que dele nos vêm. Quando o presidente termina as orações e a ação de graças, o povo presente aclama dizendo: Amém... Assim que o leitor termina, o presidente faz uma exortação e convite para imitarmos tais belos exemplos. Erguemo-nos, então, e elevamos em conjunto as nossas preces, após as quais se oferecem pão, vinho e água, como já dissemos. O presidente também, na medida de sua capacidade, faz elevar a Deus suas preces e ações de graças, respondendo todo o povo “Amém”. Segue-se a distribuição a cada um, dos alimentos consagrados pela ação de graças, e seu envio aos doentes, por meio dos diáconos. Os que têm, e querem, dão o que lhes parece, conforme sua livre determinação, sendo a coleta entregue ao presidente, que assim auxilia os órfãos e viúvas, os enfermos, os pobres, os encarcerados, os forasteiros, constituíndo´se, numa palavra, o provedor de quantos se acham em necessidade.” (Apologias)

Nenhum comentário:

Postar um comentário